sábado, 11 de outubro de 2008

DR. ZEN? Cronica por Edna Costa. 04.09.2005.

Já passei dos cinquenta e digo isso com um misto de orgulho e apreensão. Orgulho por estar com aparência de cinquenta e esses anos mesmo que tenho e, apreensão porque toda vez que vou ao médico, ele acha alguma coisa errada comigo. Às vezes, eu só vou lá para "fazer manutenção" e, acabo saindo com a impressão que tenho os dias contados. Assim, resolvi trocar de doutor.

Semana passada fui a um clínico chinês, indicado por uma amiga. Na recepção do consultório já senti um mal estar pela frieza do ambiente. A moça que atendia, combinava perfeitamente com o local: educada e impessoal demais! Depois de preenchida a ficha médica, na qual ela fez mil perguntas, sem ao menos olhar no meu rosto, sentei-me numa poltrona de canto e, fingi estar folheando uma revista enquanto passava os olhos - disfarçadamente - pelo ambiente.

Notei que as outras pessoas faziam o mesmo e, me segurei para não rir. Que saudades dos tempos em que os consultórios não tinham tanto luxo mas tinham mais calor humano! A gente sempre engatava uma prosinha com outro paciente e, dali muitas vezes surgiam confidências que resultavam numa consulta à parte, com trocas de informações sobre doenças, remédios e quiçá, uma nova amizade. Se nunca viveu uma situação asssim, você provavelmente tem menos de vinte anos.

Entrei para a consulta e achei o consultório idêntico à sala de espera no quesito frieza. O doutor, já com minha ficha na mão, cumprimentou-me com uma leve reverência, cruzou os braços e ficou me olhando. Pensei que ele fosse me fazer perguntas mas, qual o que, ele ficou na posição "fiscal de vistoria". Nervosa, comecei contar tudo o que me afligia. Falei sobre minha coluna, meu ombro, minha insônia, que tenho cristais no joelho (chic, né gente?) e sei lá o que mais.

Até hoje eu não sei se o chinês era surdo e minha amiga esqueceu de me avisar, se ele desligou-se de tudo e entrou em alfa ou se ficou naquele estado zen oriental...ZEN palavras. Quando terminei de despejar tudo que tinha direito, ele continuou na mesma posição e não emitiu nenhum som. O silêncio era tal, que podia-se ouvir a respiração de ambos. Senti-me envergonhada e solitária no meu ocidentalismo.

Fiquei aliviada quando ele finalmante descruzou os braços, e começou escrever na ficha. Depois de um tempo, que para mim foi uma eternidade, estendeu-me uma receita, levantou-se com um meio sorriso no rosto, soltou um som quase inaudível (seria um até logo?) e abrindo a porta indicou-me a saída. Inacreditável! Saí de lá ZEN entender nada e tomei duas decisões.

Primeira: da próxima vez que precisar de médico vou procurar um geriatra ocidental e me informar melhor sobre ele.

Segunda: Vou ficar um tempo ZEN falar com minha amiga. Talvez o necessário para passar a gana que tenho de enforcá-la!

3 comentários:

Márcia Regina disse...

Acabei de sair de um consultório e sei bem ao que você se referiu. A Erika é a atendente, simpática e adora uma conversa. Como era uma fisioterapia ocular (descobri que sou vesga depois de 48 anos na costa) o que tem de criança e avó que leva o neto, pai que leva a filha, menina...bati o maior papão...o tempo vôa e você nem vê a hora passar. Fica triste não...ainda existem consultórios como no tempo em que a gente era mais jovem...Adorei seu post...vou voltar sempre aqui...um beijão bem grandão e fica com Deus...

Edna Costa disse...

Amiga Marcia, obrigada pela visita e pelas palavras carinhosas. Seja bem-vinda e volte sempre. Beijão outonal pra você, minha querida.

Jandira disse...

Aqui em Formiga eu vou a dois médicos. Um ortopedista doidão que trata a gente como se fosse da família, abraça, consola, orienta e o endócrino que é Zen mesmo! É gentil, carinhoso com as pacientes diabéticas como eu e tb muito, muito indisciplinadas... Eles são divertidos, atenciosos, não te criticam, dão os conselhinhos básicos e tudo bem. Mas têm outros, dos quais eu quero distância...
As secretárias, então, viram tudo colega... Não sei se é pq eu sou do tipo boa de papo, algo assim "irresistível" rsrsr, e se elas tb o são, fica tudo azul...
Tô adorando, viu?
Bj